Recentes Posts

quarta-feira, 27 de agosto de 2014

Postado por Lucio Neto On 02:33 0 comentários

IBOPE REVELA A NOVA SANTA BRASILEIRA: MARINA, PADROEIRA DOS MANIPULADORES

Calma, calma, minha gente. O mundo ainda não acabou. O Brasil segue no rumo certo para renovar suas lideranças políticas e retomar o crescimento para, de forma competente, distribuir suas riquezas com o seu povo e não com os gringos.

É preciso ter muita lucidez de pensamento para fazer uma análise técnica dessa pesquisa divulgada pelo Ibope/Estadão/Rede Globo.

Temos que entender que por trás de tudo existe a vontade de grupos que dominam o nosso país. Essa vontade se traduz por um processo chamado manipulação das massas.

O que realmente mudou no cenário político brasileiro com a morte prematura do político pernambucano Eduardo Campos?
Muito pouca coisa. Não teve essa dimensão no cenário nacional que, desde a sua morte, os donos do poder, tentam vender para a massa manipulada.

O falecido Eduardo Campos era ainda um desconhecido do cenário nacional da política. Patinava, apesar da boa cobertura que tinha, nos 9% nas intenções das pesquisas. Daí para baixo.

Sem Eduardo Campos e com a entrada de Marina Silva, uma pesquisa séria, sem manipulação, daria talvez uns 10% ou 12% para essa senhora que assumiu no lugar de Campos. Só isso. Nada mais.

No entanto, os manipuladores das massas, que desejam fazer a todos de seus fiéis cordeirinhos, venderam o peixe de forma diferente. Diferente em termos, porque trabalham pela reeleição da senhora Dilma Rousseff.

Manchete do Estadão, um dos patrocinadores da pesquisa manipuladora
Manipulam dados para tornar esta senhora favorita porque é muito mais fácil para o PT, ela, como ex-aliada (uma vez PT sempre PT), de derrotar do que o senhor Aécio Neves.

E mais, em caso de algo dar errado e a senhora Marina for eleita no lugar de Dilma, o que mudaria? Nada. Simplesmente nada. Seria a continuação do governo do PT com algumas mudanças casuais de alguns cargos de confiança. Só isso. O resto continua tudo como esta, ou seja, segue o processo de implantação do Comunismo Cubano Brasileiro. Aliás, d. Marina já se declarou favorável à implantação do decreto da Dilma que cria os Conselhos Populares.

Ninguém se engane. Em tudo isso existe o dedo do PT que luta de forma compulsiva pela manutenção do poder. Sabe que perdendo para a oposição, e Marina não é oposição, e havendo uma caça às bruxas irá faltar espaço nas melhores penitenciárias do ramo. O fedor será tamanho que será sentido nos confins do espaço sideral.
Tudo, mas tudo mesmo é parte de um plano ardiloso, imoral, que custa bilhões aos cofres públicos. O seu dinheiro cidadão.

Alguém pode dizer:
- Mas, Lúcio Neto, o apresentador do Jornal Nacional deu uma dura na Dilma.
Respondo:
- Ora, ora, meu amigo. Foi só mais uma grande palhaçada em rede nacional. Tudo combinado entre os marqueteiros. Foi bom para todo mundo. A Rede Globo precisando provar que não é entreguista e a Dilma tentando mostrar que não é essa manipuladora de opinião que as pessoas sérias acreditam que seja. Muito conveniente. E funcionou. Basta ver a repercussão nas redes sociais. Todo mundo caiu como patinho. É assim que funciona a manipulação das massas.

Para entender melhor esta pesquisa que deu Dilma com 34%; Marina com 29% e Aécio Neves com apenas 19%, vamos analisar alguns absurdos.

Qual a justificava para Marina ganhar 20 pontos da noite para o dia? Explique aí, caro cidadão, em plena razão dos seus direitos cívico, moral, intelectual, espiritual e com atestado mental.
Explique. Para isso, temos que admitir que ela herdou os 9 pontos do falecido e adicionou mais 20 pontos da noite para o dia.
É hilário e chega a ser ofensivo mesmo para nós, simples mortais que usa apenas 10% da sua capacidade mental.

Isto significa que, esta senhora, sem abrir a boca, ganhou da noite para o dia 28.364.921 milhões de votos e teria hoje, 29% das intenções de votos, segundo esta manipulada pesquisa, o que somaria 41.129.136 milhões de votos. Isto tudo sem abrir a boca. Sem falar nada.
Trata-se, na visão da pesquisa manipulada, da maior expressão eleitoral dentre todas as galáxias do Universo. É um fenômeno extraordinário, um cometa, uma força avassaladora que nenhum outro político desta planeta jamais teve.

Fico buscando razões técnicas, políticas, religiosas, qualquer coisa e não encontro nada que justifique tamanha ascensão da noite para o dia. Talvez, quem sabe, pela divulgação dessa foto:

Santa Marina Silva, padroeira dos manipuladores de massas

O disparate é maior ainda no segundo turno. A nova versão de Jesus de saias teria nada mais nada menos do que 63.821.073 milhões de votos. Tudo isso sem abrir a boca. Sem dizer nada. Na hora que ela começar a falar vai atingir a marca de 100% ou ultrapassar, pois manipulação é manipulação e não tem limites.

Os votos do candidato Aécio Neves em SP, MG, PR, SC e RS, migraram para Marina. E veja, ela nem falou ainda. Não disse nada.

Tiraram os poucos votinhos dos nanicos e passaram para Marina. E ela nem falou ainda.
E até quem desejava anular ou estava indeciso, agora não vai mais, vai votar em Marina, o fenômeno sideral.
Veja o quadro:


Cidadão, mesmo que esta senhora tivesse toda essa força eleitoral que não tem, o pessoal da manipulação exagerou demais nesta estocada. Isto denota um desespero total.

Esta senhora não é esta figura que estão tentando fazer você engolir. Ela não representa os interesses do nosso país. Ela é aliada dos gringos que hoje roubam, isso mesmo, roubam as riquezas da nossa Amazônia, através de um processo deflagrado no governo petista, do qual ela foi ministra do Meio Ambiente, com a implantação naquele território de mais de 100 mil Ongs. O nosso ouro está indo pelo ralo. O nosso nióbio, o mais precioso metal da face da terra, é controlado pelos ingleses. A indústria farmacêutica exporta verdadeiras relíquias medicinais que são copiadas em laboratório e transformadas em remédios vendidos em todo o mundo, inclusive no Brasil, a preço de ouro.

A Amazônia já é dos gringos graças a políticos como Marina Silva. Ela foi ferrenha adversária do Código Florestal (veja aqui) ao defender interesses dos gringos e não do Brasil. Ela é contra o agronegócio, o único que segura esse pibinho aí.

Essa pesquisa é só mais um dos muitos crimes eleitorais praticados em nosso país. O povo brasileiro abestalhou de vez? Ainda não, mas pode se der ouvidos a esses criminosos que tentam manipular a opinião pública com falsos dados.
Isso é crime, masssss...



quarta-feira, 20 de agosto de 2014

Postado por Lucio Neto On 18:11 0 comentários

DUPLASENA VAI PAGAR CERCA DE QUATRO MILHÕES NESTA SEXTA. CONFIRA:

A DuplaSena, concurso 1308, acumulou no sorteio realizado nesta terça, dia 19/08. 
Dia que pode entrar para a história como o dia da mentira, pois teve o início o famigerado Horário Eleitoral Gratuito. 
Aliás, de gratuito só no nome. Mais caro do que vinho francês da primeira safra da Idade Média.

O prêmio de três milhões e setecentos mil ficou para o próximo dia 22/08, sexta feria.
Confira as dezenas sorteadas na primeira faixa da premiação:
06 - 10 - 18 - 24 - 30 -32 
Na segunda faixa foram sorteadas as dezenas:
11- 15 - 30 - 36 - 41 - 42
A quina na primeira faixa teve 40 ganhadores (será os 40 de Ali Babá?) e cada um recebe R$ 3.875,02
Na quadra acertaram 2.895 apostadores para um prêmio de R$ 50,99
Veja mais detalhes da premiação aqui

Confira agora este resultado na visão do Triângulo Místico do SortePress que desde 1997, época que iniciou suas atividades na internet, não erra uma.
As dezenas pela ordem do ranking do SortePress ficaram assim:
06 - 32 - 10 - 18 - 30 - 24


Basta ir seguir, a partir da dezena 06 (no centro/alto) em Código Avançado 6694, que é possível ler com facilidade o resultado espelhado no triângulo.

E quando você se cansar de fazer seus jogos de forma aleatória e desejar ter uma chance real de ganhos clique aqui o assine o método mais inteligente da internet brasileira.
Aceitamos todos os cartões de crédito, através do PagSeguro e ainda opção para depósito direto na conta do SortePress.


Clique e confira

domingo, 17 de agosto de 2014

Postado por Lucio Neto On 00:52 0 comentários

E SAIU MAIS UM GRANDE PRÊMIO DA MEGA PARA UMA CIDADE DO INTERIOR

Mais uma vez uma pequena cidade do interior do país fatura um prêmio da Megasena que dá para comprar todo o município e ainda sobra dinheiro para a campanha política de vários candidatos.

Desta vez a façanha ficou por conta de DORES DO INDAIÁ/MG, cidade com pouco mais 13 mil habitantes. Um apostador levou sozinho R$ 44.340.626,24

É uma saga que contraria as melhores estátiscas, pois só ocorre em grandes prêmios e desafia qualquer lógica matemática.

A quina teve 130 ganhadores e cada um recebe R$ 35.837,60 e a quadra 9.306 apostadores com um prêmio de R$ 715,18.

Foram as seguintes as dezenas sorteadas: 20 - 26 - 32 - 41 - 45 - 57.

Confira agora este resultado na visão do Triângulo Místico do SortePress pelo ranking na ordem crescente das dezenas, ou seja, da menor para a maior - 01 para 60. Veja:



Nesta alternativa de estudos que é oferecida pelo SortePress, o assinante tem a oportunidade selecionar as dezenas de uma forma bem mais prática do que o método tradicional com o ranking pela ordem de número de sorteios e representado por uma duplicata da dezena. Aqui ele deve visualizar sempre uma duplicata da dezena que está sendo estudada. Notem que todas as dezenas sorteadas tem uma. 
Observe o caso da primeira dezena sorteada, a 20. Ela está unida ao número do concurso através do seu código 925, na seqüência tem o SFS 155 e ela, a 20 com a sua duplicata em Código Avançado 246 e a TDS 01, também em Código Avançado - 190.
À direita temos a dezena 26 (repete o seis), o SFS 134, a TDS 02, a duplicata da 26 (invertida) e o código 161.
Ainda neste ponto temos a duplicata da dezena 32 (a duplicata da dezena pode compartilhar seus números, já a dezena pura, em azul escuro, não), ligada ao SFS 170, o código 787, a TDS 3 em Código Avançado - 3449 e ela, a 32, pura.
À esquerda vem a dezena 41 e sua duplicata, a TDS 4, em Código Avançado 464, o código 796 e o SFS 172.
Observe agora como este triângulo é místico e os números são colocados de forma a permitir que elas se unam umas às outras. A dezena 45, lado direito, tem o SFS 149, a sua duplicata de forma invertida, a TDS 05 e o código 689. Para cumprir a regra a ligação é feita através da TDS 04 - Avançado - que é parte da TDS 03 da dezena 32, e que está ligada à dezena 41. 
Acima e à direita temos o SFS 153, a dezena 57, a TDS 06, a duplicata da dezena 57 e o código 378. 
A duplicata da dezena, nesta versão, representa o ranking, como é possível ver na versão reduzida do mapa de códigos. Veja abaixo a imagem do triângulo sem a marcação das dezenas sorteadas e notem como ele é mágico e que as dezenas que serão sorteadas estão sempre nele, representadas pelos seus indicativos.
Para assinar clique aqui e para assistir a uma degustação aqui





quarta-feira, 13 de agosto de 2014

Postado por Lucio Neto On 02:29 0 comentários

PRÊMIO ACUMULADO DA LOTOFÁCIL SAI PARA SEIS APOSTADORES

A Lotofácil, que dificilmente acumula, estava com um apetitoso prêmio nesta última segunda feira, no concurso 1093: o valor de R$ 4.088.854,14 saiu para seis apostadores que conseguiram fazer os 15 pontos. Bem inferior à previsão da Divisão de Loterias da Caixa. 

E para variar, dentre os sortudos, um de uma pequena cidade do interior do Ceará, Palmácia, com 12 mil habitantes.

Cada um recebe a quantia de R$ 681.475,69.  Uma soma nestes tempos bicudos de inflação alta, de juros exorbitantes e pibinho cada vez menor. Onde vai parar não o senhor Mantega sabe.

Confira o resultado pelo ranking do SortePress. Veja no triângulo místico a disposição das dezenas e abaixo cada uma delas com os seus respectivos códigos:
O SortePress está na internet desde 1997 e nunca deixou de apresentar os resultados sorteados pela Divisão de Loterias da Caixa. Já foi mais fácil ganhar, mas muitos dos nossos assinantes continuam faturando bons prêmios com o método místico que é baseado nas ciências da numerologia, estatística e matemática. Através de fórmulas com base nessas ciências o triângulo místico é projetado, juntamente com uma mapa de códigos. Esses códigos, mais o SFS ( o número de sorteios que a dezena passará a ter Se For Sorteada), a TDS - Trilha da Dezena Sorteada e o Ranking, estão espelhados em cada triângulo dando uma visão do futuro das dezenas que serão sorteadas.
Assista aos nossos vídeos degustação . Confira o nosso FAQ e se desejar tentar a sorte pelo nosso método visite a página de assinatura e depois navegue no site para maiores detalhes.
Boa sorte. Sempre.

NE. A tecnologia quando não ajuda acaba atrapalhando. O Google+ na versão para smartphone vem com suas configurações originais com o backup de fotos ativado. Quem não sabe disso (como eu) passa por situações como esta. O Google+ tomou a liberdade de copiar todos os arquivos de fotos e vídeos do blog do Lúcio Neto para o meu smartphone, aliás o que coube, quase 6 mil arquivos. E o pior de tudo isso é que não posso deletar, pois ao fazê-lo ele deixa o 'buraco' no blog. Já andei pesquisando e até agora não encontrei uma solução.
Este aquivos com o resultado da Lotofácil estou republicando mais uma vez.
Lúcio Neto - Editor


domingo, 10 de agosto de 2014

Postado por Lucio Neto On 15:25 0 comentários

BILL GATES: GANHANDO BILHÕES COM A MISÉRIA DOS OUTROS


Muitas pessoas admiram Bill Gates por sua inteligência, espírito empreendedor e mais recentemente, a sua filantropia. Isso é tudo muito bom, mas não devemos esquecer que ele é um capitalista implacável, que, ao longo de sua vida, dedicou seus esforços para um único propósito: fazer uma soma ridícula de dinheiro. Também não nos esqueçamos de que as corporações são, por lei, obrigadas a fazer todo o possível para maximizar seus lucros e portanto, cada ação que tomar deverá ser feita como um esquema para fazer dinheiro. Às vezes isso significa reparar ou melhorar a sua imagem através de ações aparentemente de caridade que são projetadas para permitir que, a longo prazo, possam explorar mais pessoas sem controle ou resistência.Deixando de lado as teorias da conspiração sobre Gates ser parte de um esquema global de redução da população, não é exagero dizer que houve uma tendência histórica sistemática para usar os continentes menos desenvolvidos (especialmente em África) para pesquisas não-consensuais com técnicas pioneiras de fazer dinheiro disfarçadas de desenvolvimento, e que Bill Gates faz parte disso. Afinal de contas, a Big Pharma (a máfia da indústria farmacêutica) é uma das indústrias mais rentáveis do planeta, e se baseia fortemente na execução de extensões de patentes e direitos de propriedade intelectual para o qual Bill Gates é notório a partir do seu trabalho na Microsoft. África tem sido o lugar mais severamente afetadas pelos rigorosos direitos de patentes impostos por corporações transnacionais com o apoio do cartel do Fundo Monetário Internacional – Banco Mundial – Organização Mundial do Comércio (FMI-BM-OMC).
Há também um enorme conjunto de evidências documentadas de que a indústria farmacêutica tem, por um longo tempo e repetidamente, usado populações vulneráveis no mundo desenvolvido e em desenvolvimento como cobaias para estudar doenças e testar novos medicamentos (por exemplo, o experimento Tuskegee, entre muitos outros ). Isto não está limitado a Big Pharma, mas aplica-se a quase todos os setores da economia capitalista industrial, que por definição, é baseada na exploração de uma subclasse.
Tendo estabelecido essas premissas (eu convido você a desafiá-las), vamos analisar os fatos:
Pouco antes de sair da Microsoft em junho de 2006, Bill Gates vendeu 58 milhões de dólares em ações; em 02 de novembro de 2012, ele vendeu 5.500.000 ações por 27,95 dólares cada, gerando 153,7 milhões, e mais recentemente, em 25 de abril de 2013, ele vendeu as 12,605,492 ações por $390,4 milhões. Estes são apenas alguns exemplos. Segundo a Comissão de Segurança e Valores, Bill Gates vendeu 90 milhões de ações da Microsoft Corp. em 2012. Atualmente possui 591 milhões de ações desta empresa, que crescem cerca de sete por cento do total de 8,4 bilhões, e ele continua a ser o seu maior acionista individual.
Simultaneamente Gates tem investido em empresas especializadas em varejo (Walmart), alimentos e bebidas (Coca-Cola e McDonalds), energia e transporte (British Petroleum e Toyota) e Biotech (Nimbus Descoberta e Medicina Foundation). Mas nenhum desses investimentos correspondem aos feitos na indústria farmacêutica. De fato, uma de suas primeiras ações após retirar suas ações da Microsoft, quando deixou o cargo foi investir na Gigante Farmacêutica Britânica GlaxoSmithKline (GSK). Em 9 de setembro de 2002, Gates, vendeu quase meio bilhão de dólares em ações da Microsoft. Por volta do mesmo período, no segundo semestre de 2002, ele comprou 2,5 milhões de ações da Eli Lilly, fabricante do Prozac, e fez outros importantes investimentos na Merck e Pfizer. Em 17 de maio de 2002, a Fundação Bill & Melinda Gates (B & MGF) adquiriu ações de nove empresas da Big Pharma, no valor de quase 205 milhões dólares. Isto é, quando começamos a perceber uma mudança de investimentos pessoais de Gates para os da sua fundação. Este foi um passo importante para convencer os ricos a doarem suas fortunas pessoais para Bill & Melinda Gates Foundation: uma espécie de liderança pelo exemplo para enganar aqueles que precisam de sua consciência afagada, ou a sua imagem restaurada ou melhorada.
Como um investidor na Merck & Co. (a criadora da Gardasil, a vacina contra HPV sendo aplicada no Brasil e que tem gerado inúmeros efeitos adversos graves e a mesma empresa que foi acusada de adulterar estudos para mostrar uma suposta eficácia de sua vacina contra o sarampo), Pfizer (dos ROTHSCHILD), JOHNSON & JOHNSON e outros, a Fundação Gates compartilha interesses financeiros com os fabricantes de medicamentos contra a Aids, ferramentas de diagnóstico, vacinas e outras drogas. Recorde-se que Gates atingiu seu status de trilionário usando um “desagradável pequeno protegido monopólio de tratado de comércio” chamado TRIPS: as regras de direitos de propriedade intelectual relacionados com o comércio da OMC.
Doações à B & MGF vem principalmente da fortuna pessoal do Sr. Gates e ações da Berkshire Hathaway dadas à Fundação pelo CEO da Hathaway Warren Buffett. Mais recentemente, outras pessoas extremamente influentes derramaram enormes somas para a B & MGF de suas fortunas pessoais. A B & MGF recentemente decidiu focar seus esforços em Malária e Polio: os dois principais exemplos da última peça desse esquema. Cerca de US $1 bilhão de dedução de imposto/doação de Bill Gates foi destinado à pesquisa para encontrar uma vacina para prevenir a malária, que é o assassino número um na África.
O exemplo da Malária
Literalmente, centenas de estudos, documentos e análises determinaram que a melhor maneira de reduzir a mortalidade e a transmissão de doenças infecciosas como a malária e poliomielite é educar a população e elevar o seu padrão de vida. A Eritreia, por exemplo, conseguiu reduzir as suas taxas de infecção por malária em 80 por cento pela organização de campanhas de educação pública sobre nutrição e prevenção de doenças, proporcionando redes livres mosquiteiras tratadas com insecticida em áreas onde a malária é endêmica, o estabelecimento de clínicas médicas com base na comunidade, onde a população pode obter exames de sangue gratuitos e, finalmente, o preenchimento de criadouros do mosquito e / ou pulverização de inseticida nas áreas (eu não sou normalmente um fã de inseticidas, mas isso serve para provar um ponto maior).
Essas simples práticas de saúde pública resultaram em maior avanço na prevenção da mortalidade da malária na história, e até hoje eu ainda não consegui encontrar uma única história sobre isso em qualquer meio de comunicação mainstream. Tais abordagens também foram amplamente adotadas em toda a Europa há um século: um processo que provocou a completa erradicação destas doenças infecciosas exóticas do continente. Deve-se também adicionar que a Eritreia, por meio do sistema público de saúde já estabelecido, tem sido o único país Africano a reduzir efetivamente suas taxas de infecção por HIV / AIDS (em 40 por cento após uma década); isso foi feito através de um programa nacional de educação sexual e distribuição de preservativos.
Bill Gates é um cara muito inteligente. Então, por que ele embarcou em uma campanha de vacinação em massa, quando os mesmos fundos poderiam ter sido investidos em programas de desenvolvimento comunitário e de saúde pública genuinamente sustentáveis? Porque isso não faz dinheiro!
O B & MGF (Bill and Melinda Gates Foundation) investiu um bilhão de dólares para desenvolver uma vacina contra a malária produzida pela GSK, em que (você adivinhou!) Bill Gates tem um grande número de ações e sobre o qual ele exerce considerável influência. A GlaxoSmithKline recentemente teve que pagar bilhões para resolver acusações criminais e de responsabilidade civil relacionados com a comercialização ilegal de drogas e retenção de informações sobre os riscos de saúde associados com o seu medicamento para a diabetes Avandia, e em 2012 um tribunal argentino condenou a GSK como culpada por “experiências com seres humanos, bem como falsificar autorizações dos pais para que os bebês pudessem participar dos testes de vacinas realizados pelo laboratório de 2007 e 2008.”
O site da GSK afirma que “Quando administrado juntamente com as vacinas normais da infância, a eficácia da [vacina contra a malária] RTS,S em crianças com idade entre 6 a 12 semanas (a primeira vacinação) contra a malária clínica e grave foi de 31% e 37% respectivamente, ao longo de 12 meses de acompanhamento após a terceira dose da vacina. “Parece inchado certo? No entanto, o site também menciona (e observe como eles tentam virar isto a seu favor) que “mosquiteiros tratados com inseticida foram usados por 86% dos participantes do estudo, o que demonstrou que a RTS,S forneceu proteção além das intervenções de controle existentes da malária.” Os testes também mostraram uma diminuição da eficácia e foram descritos por muitos como um “fracasso”. Pior ainda, um considerável corpo de evidências mostram que as “vacinas” da malária, na verdade, aumentam a virulência de cepas de malária. Mas, mesmo para alcançar a eficácia de “um fracasso”, a vacina contra a malária deve ser tomada com um medicamento adicional. A B & MGF e a GSK deixaram de mencionar que eles iriam fazer uma fortuna com essa droga catalisadora durante a enorme campanha de publicidade e marketing que eles fizeram do fato de que iriam doar a vacina.
A poliomielite é outro caso
Na Índia, em muitas áreas onde a pólio tinha sido quase erradicada e a B & MGF se envolveu em campanhas de vacinação, a poliomielite agora é galopante. Veja o nosso artigo “[Bill Gates] Vacina da Pólio Paralisa Bebê de 10 meses (e outros 47.500) na Índia“. Isto foi devido ao uso de uma vacina contra a Pólio ativo chamado Vacina Oral contra Pólio (OPV), que se baseia na administração oral e atenuada do vírus vivo da poliomielite e que é proibida na maioria dos países ocidentais, porque vacinações recorrentes dela na verdade aumentam o desenvolvimento de cepas de pólio mais agressivas e sua mutação em formas mortais. Pacientes na Índia receberam até 10 injeções da vacina, em vez de uma a duas da vacina da poliomielite inativa (IPV, que como o nome indica, usa um vírus pólio inativo) usada na Europa e nos Estados Unidos. O surto da nova cepa da doença, no entanto, tem “não-pólio” (não, eu não estou brincando) em seu nome – “paralisia não polio aguda flácida” (NPAFP) - em uma tentativa de desviar a responsabilidade e para desfocar a ligação entre a B & MGF e o surto, apesar do fato de que as estirpes são quase idênticas.
O manual básico do Exército dos EUA (o maior consumidor individual de vacinas em todo o mundo) informa: “Uma única dose da trivalente OPV é administrada a todos os alistados. Candidatos a oficial, cadetes ROTC, e outros componentes da reserva na ativa inicial para o treinamento recebem uma única dose de VOP, a menos que a imunização prévia como adulto esteja documentada. ”
É também estranho que, apesar de professar-se a ser um pioneiro da saúde global, o B & MGF detém participações significativas de algumas das empresas mais “não saudáveis” do planeta, responsável por milhões de casos de obesidade e diabetes, tais como o McDonald (9,4 milhões de ações representativas de cerca de 5% da carteira de Gates) e Coca-Cola (com mais de 15 milhões de ações, mais de 7% da carteira da Fundação, sem contar participações da Berkshire Hathaway). Também é estranho que a B & MGF investiu grandes quantias de dinheiro em empresas farmacêuticas que pararam o envio de medicamentos de baixo custo contra a AIDS para a África, apesar de professar que quer fornecer medicamentos a um milhão de pessoas até o final da década. Pena que Gates não especificou o que ele quis dizer com “seu remédio”: o das empresas em que seus milhões são investidos.
Fundação de Bill & Melinda Gates é essencialmente um enorme esquema de evasão fiscal para os capitalistas enormemente-ricos que fizeram bilhões explorando os povos de todo o mundo. A fundação investe, livre de impostos, o dinheiro de Gates e as “doações” de outros, nas próprias empresas em que Gates detém milhões em ações, garantindo retornos através de ambas as vendas, bem como os direitos de propriedade intelectual. Para adicionar insulto à injúria, o sistema perpetua a propagação da doença, em vez de ajudar na sua erradicação, assim justificando perpetuamente seus esforços para “erradicar” estas doenças (resolução de um problema que eles estão criando).
O mundo seria melhor sem a B & MGF e sem filantropos como Bill Gates? Esta é uma pergunta hipotética que seria necessário um arranjo socioeconômico completamente diferente do que o atual e que não pode ser respondida com certeza absoluta. É quase certo que, se os indivíduos e as empresas extremamente ricas fossem responsabilizados por suas ações, em vez de serem autorizados a fazerem “lavagem branca” através de filantropia enganosa e desonesta, o mundo seria melhor. É quase certo que, se a filantropia fosse genuína, e não fosse concebida como um esquema de evasão fiscal nas quais as “doações” servem como investimentos para as próprias empresas em que os doadores têm enormes investimentos, o mundo seria melhor. É certo que, se os enormes investimentos (ou “doações”) fossem focados em programas de nutrição com base na comunidade, programas de saúde pública e de empresas sustentáveis, o mundo seria muito melhor.
Um comentário encontrado no Face:
BILL GATES é um desses benfeitores de caridade social ao doar milhões de dólares em vacinas (ESPECIALMENTE PARA ÁFRICA), tendo um pai eugenista, e uma associação com o globalista DAVID ROCKFELLER. David Rockfeller cuja Fundação Rockefeller financiou a pesquisa de Eugenia na Alemanha através dos Institutos Kaiser Wilhelm em Berlim e Munique, incluindo também no Terceiro Reich, elogiando a esterilização forçada de pessoas pela Alemanha de Hitler e as idéias nazistas da “pureza” da raça. John D. Rockefeller III foi um defensor da Eugenia ao longo da vida, usou seu dinheiro da Fundação de “isenção de impostos” para iniciar o movimento neo-malthusiano de redução da população através de seu Conselho da População particular no início da década de 1950, em Nova York.
O pai de Bill Gates, William H. Gates Sr., tem há muito estado envolvido com o grupo eugenista Planned Parenthood, uma organização rejeitada nascida da Sociedade Americana de Eugenia. Em uma entrevista em 2003 com Bill Moyers do sistema público de radiodifusão, Bill Gates admitiu que seu pai costumava ser o chefe da Planned Parenthood, que foi fundada sobre o conceito de que a maioria dos seres humanos são apenas “criadores negligentes” e “ervas daninhas humanas” necessitados de abate. 

Gates também admitiu durante a entrevista que o envolvimento de sua família em questões reprodutivas ao longo dos anos tinha sido abrangente, referenciando sua própria adesão prévia a crença do eugenista Thomas Robert Malthus, que acreditava que a população do mundo necessitava ser controlada através de restrições reprodutivas.
Declaração pública de BILL GATES:
Vamos dar uma olhada. Primeiro, temos a população. O mundo hoje tem 6,8 bilhões de pessoas, e vai chegar a cerca de 9 bilhões. Agora, se realmente fizermos um grande trabalho com novas vacinas, assistência de saúde e serviços reprodutivos, poderemos reduzir (a população) em talvez 10 ou 15 por cento” Bill Gates, Microsoft globalista, membro do Grupo Bilderberg. Veja o vídeo em nosso artigo “Bill Gates admite que vacinas são usadas para depopulação humana“.
Bill Gates inclui as vacinas como forma de diminuir a população. De que modo? Tendo nelas substâncias e vírus ocultos, para tornarem pessoas estéreis sem elas o saberem nem o terem consentido, e dizimarem por doenças mais rapidamente um grande número de população? Não deveriam as vacinas aumentar a população ao aumentar a esperança média de vida? É esse o plano? Reduzir a população adoecendo e matando pessoas mais depressa através de vacinas contaminadas e destrutivas que tornam obrigatórias?
Mas Bill Gates também tem investimentos na Indústria Farmacêutica, que venderão mais medicamentos se as pessoas adoecerem de doenças que precisem de medicação posterior e regular por toda a sua vida. Além de que matando outras pessoas o sonho de eugenistas de aperfeiçoar a raça humana, e diminuir a população para não se esgotarem os recursos naturais á base de petróleo também seria um objetivo concretizado.

Fontes:News Junkie Post: Bill Gates, Big Pharma, Bogus PhilanthropyRebecca Project: What are you looking for?GEI: Insider Trading 02 November 2012: Bill Gates Sold $153 Million of MicrosoftNasdaq: In Insider Trading, Bill Gates Sells Microsoft Shares While Spectrum Brands and Opko Health See PurchasesGuru Focus: Bill Gates Latest Trades these stocksFierce Biotech: Bill Gates100777: Bill Gates & Big PharmaAnnual Reviwes: Social/Economic Status and DiseaseGSK: RTS,S malaria candidate vaccine reduces malaria by approximately one-third in African infantsMercola: GlaxoSmithKline: GUILTY in Largest Health Fraud Settlement in US HistoryBuenos Aires Herald: GSK fined over vaccine trials; 14 babies reported deadRichar Brenneman: Bill Gates, big money, and dubious philanthropy

quarta-feira, 6 de agosto de 2014

Postado por Lucio Neto On 01:15 6 comentários

EXCLUSIVO: DOCUMENTO DE MÉDICO BRASILEIRO EXPÕE QUESTÕES ÉTICAS SOBRE A VACINA HPV

Às vésperas da campanha para a segunda dose da vacina Gardasil em meninas de 11 a 13 anos, recebo via e-mail, uma honrosa missão de divulgar um documento do Dr. Cleomenes Barros Simões, endereçado ao Presidente do Conselho Regional de Medicina do Estado de São Paulo (CREMESP) e ao Conselho Editorial do Jornal do CREMESP.
O documento tem como assunto a "Incoerência Ética do Jornal do CREMESP, que é usado para propaganda da vacina quadrivalente (Gardasil) contra o HPV."
Nele são abordadas questões éticas, explicadas cientificamente o que é esta vacina, suas causas, seus efeitos, dados estatísticos, enfim, um verdadeiro guia para os pais que queiram ter uma orientação correta de um profissional profundo conhecedor do assunto.
Perguntei ao Dr.Cleomenes Barros se ele tinha conhecimento que poderia sofrer represálias com a divulgação deste documento, que foi enviado via sedex com AR em 01/07/2014 e até a presente data não obteve nenhuma resposta.
Ele respondeu:
- Lúcio Neto, na vida  devemos sempre   ter  destemor quando estamos convictos   e alicerçados naquilo que a gente se propõe, no meu caso, escrever as verdades científicas sobre a Vacina contra o HPV. Por isso,  não temo o CREMESP, e nem o seu jornal, pois escrevi críticas baseadas em seus próprios erros.  Eu não aguento mais ver o povo sendo enganado.
Diante dessa afirmação heroica só nos resta cumprir o nosso dever de informar bem aos nossos leitores.
Mas, antes que quero convidar o leitor para assistir a este vídeo:


Segue o documento.

Incoerência Ética do Jornal do CREMESP, que é usado para propaganda da vacina quadrivalente (Gardasil) contra o HPV.
No Jornal do CREMESP Nº312 – Março de 2014, página 5- Saúde Pública, consta a matéria: “Especialistas reforçam importância da vacina contra o HPV”.
Trata-se de uma matéria tendenciosa, sub-reptícia em dados (explicitado abaixo), e coadjuvada respectivamente pela Sociedade Brasileira de Pediatria e de Imunização.
O Jornal do CREMESP concedeu espaço apenas para uma vacina, a vacina quadrivalente (Gardasil) da MSD, enfatizando, peremptoriamente, que “o tipo de vacina disponível no Brasil é a quadrivalente”, inclusive com foto alusiva. Isso é lamentável.
Por que foi olvidada a vacina bivalente (Cervarix) da GSK?
O cerne da matéria sequer comenta a existência de outra vacina para esse fito.
A página WEB da Sociedade Brasileira de Imunização (SBIm), cujo presidente é o Dr. Renato Ávila Kfouri (o especialista entrevistado do Jornal do CREMESP Nº312 – Março de 2014, página 5- Saúde Pública), utiliza o Jornal do CREMESP como instrumento de propaganda da vacina Gardasil.
Fonte: http://www.imuniza.com.br/noticias-especialistas-reforcam-importancia-da-vacina-contra-hpv.asp
O Jornal do CREMESP, como Órgão Oficial do Conselho Regional de Medicina do Estado de São Paulo, deveria sim, dentre os mais elevados preceitos e atributos éticos, morais e científicos, referenciar também a vacina contra o HPV denominada Cervarix e não o fez. O Jornal do CREMESP é democrático? É ético?
Essa matéria do jornal do CREMESP, acampando a propaganda da vacina Gardasil, é um embuste, onde, de maneira sorrateira, entra o laboratório MSD para vender o seu produto, e isso é extremamente lamentável.
Observa-se uma exuberante incoerência, uma inverdade proposital e assustadora dessa matéria no Jornal do CREMESP, com a finalidade precípua de criar pânico nos pais das meninas brasileiras (ao invés de dizer que a cada dois minutos morre uma mulher de câncer do colo do útero no mundo, diz que mata uma mulher a cada 2 minutos no Brasil). Além do mais, no mesmo jornal emEstratégia combinada de prevenção é mais eficaz” - página 5 - está escrito: “cada adolescente deve receber três doses da vacina para ficar imunizada contra o HPV”. Passa credibilidade esse jornal?
Portanto, só produzem anticorpos contra os vírus e não eliminam as células infectadas (não se modifica a imunidade celular).
Portanto, como está escrito no jornal do CREMESP (cada adolescente deve receber três doses da vacina para ficar imunizada contra o HPV), é induzir, ainda que de forma indireta, a falsa ideia de uma proteção total, e isso, é uma inverdade científica, é crime.
Observamos ainda informações obsoletas sob o título de “Há mais de 100 tipos de HPV” destacado em azul na página 5 do jornal do CREMESP. Refere o texto: “(...) o HPV possui mais de 100 tipos. Do total, pelo menos 13 tem potencial para causar câncer”.
O correto, atual e na linguagem erudita (científica):
Atualmente tem-se descrito mais de 200 genótipos do vírus do papiloma humano (HPV, human papillomavirus) dos quais 40 têm predileção pelo epitélio mucoso do trato anogenital: desses, 20 têm comportamento oncogênico.
No Jornal do CREMESP (Nº 312- Março de 2014) sob a epígrafe Estratégia combinada de prevenção é mais eficaz está escrito: “é o segundo tipo de tumor que mais atinge as mulheres, atrás apenas do câncer de mama”.
Nas páginas WEB da Sociedade Brasileira de Pediatria (SBP) e Sociedade Brasileira de Imunização (SBIm) sob a epígrafe “SBP e SBIm enfatizam a importância da vacina contra o HPV” está escrito: “Sabemos que o câncer de colo de útero é o segundo mais frequente entre as brasileiras – o Instituto Nacional do Câncer (INCA) estima em 18 mil o número de novos casos diagnosticados por ano, infelizmente com alta mortalidade, a despeito da existência do teste preventivo papanicolaou”.
Notamos que o “P” de Papanicolaou, está escrito com letra minúscula.  A grafia correta é Papanicolaou, sobrenome do médico grego George Nicholas Papanicolaou, pioneiro no estudo da citologia e na detecção precoce do câncer do colo do útero.
Fonte:http://www.sbp.com.br/show_item2.cfm?id_categoria=52&id_detalhe=4572&tipo_detalhe=S
Ora, segundo o Instituto Nacional do Câncer (INCA-2014), o câncer do colo do útero (15.590 casos) é o quarto tumor mais frequente na população feminina, atrás do câncer de pele não melanoma (83.710 casos), de mama (57.120 casos) e colorretal (17.530 casos), e a quarta causa de morte de mulheres por câncer no Brasil.
Fonte: http://www.inca.gov.br/estimativa/2014/estimativa-24042014.pdf
Onde se encontravam os experts em medicina da Diretoria, do Conselho Editorial e dos colaboradores do Jornal CREMESP, que deixaram passar incólume essa manipulação, esse obsoletismo e essa matéria enganosa? Por que não fizeram a revisão dessa matéria? Houve compactuação?
Em toda propaganda comercial e em quase toda informação especializada sobre o HPV se repete constantemente, como se fosse uma verdade universal, que os genótipos 16 e 18 do vírus são “a causa” do câncer do colo do útero.


Na realidade, o HPV é um agente partícipe necessário na gênese do câncer do colo do útero, porém insuficiente. Necessita de cofatores (cocancerígenos) para esse desiderato. Aqui há uma contradição conceitual. Diz-se que o HPV é “a causa necessária, porém não suficiente” do câncer do colo do útero. Esta afirmação é capciosa, porque alberga uma contradição evidente: uma causa, agora, se “não é suficiente”, não é causa. Além do mais, o HPV não está presente em 100% dos casos de câncer do colo do útero.
Também não se explica a ausência do vírus, isto é, do HPV, em adenocarcinomas (câncer que fica no canal do colo do útero) e em outras variedades de cânceres do colo do útero.
Fonte: Koss LG, MelamedMR. Koss Diagnostic Cytology and its Histopathologic Bases. Fifith Edition, NY:Lippicott Williams & Wilkins, 2005.
 Liebrich C, e cols. Primary cervical cancer truly negative for high-risk human papillomavirus is a rare but distinct entity that can affect virgins and young adolescents. Eur J Gynaecol Oncol 2009; 30 (1): 45-48.
Os médicos que defendem a utilização da vacina contra o HPV são investigadores e especialistas em vacinas? Possuem o conhecimento necessário de farmacodinâmica, farmacogenética, farmacocinética, e toxicidade, para prescrevê-las?
Então, por que os médicos, jornais (como o do CREMESP) e revistas estão tão interessados em propagar essa vacina? Por que esta súbita preocupação com o câncer do colo do útero?
Porque por detrás de muitas sociedades de profissionais médicos está a indústria farmacêutica.
Porque as Sociedades Médicas Científicas não são independentes dos laboratórios. A Revista Brasileira de Patologia do Trato Genital Inferior e a página web da Associação Brasileira de Patologia do Trato Genital Inferior e Colposcopia (ABPTGIC) são patrocinadas pelo  Laboratório Merck Sharp & Dohme. O site da FEBRASGO é patrocinado pela Libbs, Kolplast, Saúde Service, etc. A Revista da Sociedade de Ginecologia e Obstetrícia do Estado de São Paulo (SOGESP) é patrocinada pelos laboratórios Merck, Bayer, FQM, Sanofi e Aché. A Glaxo Smith Kline patrocina a campanha “Mulheres semeiam vida”, da ABPTGIC para divulgar a vacina contra o HPV, e o Manual de Patologia do Trato Genital da FEBRASGO, onde está disseminado o uso da vacina contra o HPV. O site da Sociedade Brasileira de Imunizações (SBIm) era patrocinado pela Merck, e referenciava apenas a vacina Gardasil. A Revista da SBIm (Vol.4 nº2: 2011) tem como um dos patrocinadores a GSK.
 Porque em alguns municípios do Brasil, os políticos “preocupados” com a saúde de seus munícipes anunciam aos quatro cantos que decidiram oferecer uma vacina “contra o câncer cervical” sem nenhum custo. Aplica-se então essa vacina em jovens, de maneira aleatória, e sem ulterior seguimento. Aqui, aplica-se o axioma: Tempos de democracia viral: uma vacina, um voto”.
Tanto que especialistas em Saúde Pública publicaram um trabalho no Journal American Medical Association (JAMA) sobre a participação do marketing de vacinação de quatro sociedades médicas dos Estados Unidos: American Society for Colposcopy and Cervical Pathology (ASCCP), Society of Gynecologic Oncologists (SGO), American College of Obstetricians and Gynecologists (ACOG) e American College Health Association (ACHA), em que as acusam de aceitar grandiosos fundos do laboratório MERK, para que os seus membros promovam a vacina Gardasil da Merck em um programa de treinamento médico e de difusão pública com um disco de 173 slides (diapositivos). É por isso que a vacina Gardasil é tão difundida, e as famílias pressionadas para vacinar suas filhas. Obviamente, o Jornal do CREMESP contribui para esse fito.
Fonte: Rothman SM, e cols. Marketing HPV Vaccine. Implications for Adolescent Health and Medical Professionalism. Special Communication. JAMMA 2009, 302: 781-786.
Existem outros tumores mais danosos e prioritários.
O INCA (Instituto Nacional do Câncer) estima para o para o Brasil em 2014:
83.710 casos novos de câncer de pele não melanoma em mulheres e 98.420 entre homens (total de 182.130 casos novos);
68.800 para câncer da próstata;
57.120 para câncer da mama feminina;
16.400 de câncer de pulmão em homens e 10.930 em mulheres (total de 27.330 casos novos);
17.530 casos novos de câncer de cólon e reto em mulheres e 15.070 em homens (total de 32.600 casos);
Apenas 15.590 de câncer do colo do útero.
Na revista da SOGESP (Sociedade de Obstetrícia e Ginecologia do Estado de São Paulo), Edição 102, página 7, está escrito: “o diretor científico da SOGESP estima que cerca de 250 mil pessoas morram anualmente no país vítimas do vírus”. Obviamente, o vírus é o HPV, e o país o Brasil. No folheto “Campanha SOGESP X HPV” está escrito: “estima-se cerca de 18.000 novos casos de câncer de colo de útero e cerca de 5.000 óbitos anualmente”, no Brasil, é claro. Na Edição 100, página 11, está escrito: no Brasil “há cerca de 20.000 mil casos de câncer de colo de útero (...)”. Na edição 104, página 29, “cerca de 18mil novos de câncer do colo do útero aparecem por ano e resultam em aproximadamente 4 mil mortes”. Fonte:http://www.sogesp.com.br/
No site da campanha “Mulheres Semeiam vida”, para influentes blogueiras do Brasil refere 17.540 novos casos.
Nessa matéria do Jornal do CREMESP está escrito: no Brasil, 5.160 mulheres vieram a óbito em 2011, essa enfermidade mata em nosso País, uma mulher a cada 2 minutos. Refere ainda que o INCA estimou o surgimento de 17.540 novos casos.  Concluímos que os números são díspares e cada um “chuta” o que pode.
Por que a vacina contra o HPV é experimental?
Porque primeiramente os laboratórios estabeleceram:
1- São necessárias apenas 3 doses da vacina via intramuscular(IM) com esquema de 0, 1 e 6 meses (0-30 e 180 dias) para a vacina Cervarix, e 0, 2 e 6 meses (0-60-180 dias) via IM para a vacina Gardasil.
2- No Brasil em 2014, a vacina será administrada em 3 doses: 0, 6 e a 3ª dose 5 anos(60 meses) após a primeira.
3- Em novembro de 2013, durante o Congresso EUROGIN realizada em Florença (Itália), ficou estabelecido: são suficientes apenas 2 doses da vacina, e este esquema está aprovado em 9 países (Guatemala, Honduras, El Salvador, Haiti, Suriname, Chile, Guiana, Nigéria, e Gana).
4 - Na Costa Rica está se aplicando apenas 1 (uma) dose da vacina, com a mesma “eficácia” das 3 doses recomendadas.
Esses resultados questionam as recomendações atuais segundo as quais a vacina contra o HPV requer 3 doses para gerar uma resposta imunológica de longa duração.
Qual é o esquema de dose que a menina deverá tomar?
Qual o esquema correto? Quanta celeuma, por que não esperar mais um pouco?
Por que eu tenho que pagar por 3 doses, ou paguei por 3 doses, por uma vacina caríssima se apenas uma dose é suficiente?
Por que na clínica particular a adolescente que paga a vacina fica “imunizada” em 6 meses, enquanto no SUS as “pobres” ficam “imunizadas” em 60 meses?

Por causa da baixa adesão com o esquema atual de 3 doses, optou-se por vários ensaios com Gardasil com menos 3 doses e
esquemas de dosagem alternativos.
A vacina Cervarix (bivalente) é a única vacina para os quais o esquema com menos de 3 doses é  comprovado, e a eficácia de uma ou duas doses é equivalente ao esquema de 3 doses. O esquema de 2 doses foi aprovado pela European Medicines Agency, apenas para a vacina Cervarix. O regime de 2 doses ainda não é recomendado pelo Comitê Consultivo em Práticas de Imunização (ACIP) para uso nos EUA.
Fonte: BRIEF-GSK receives positive European opinion for Cervarix two-dose schedule Reuters. November 28, 2013. Available at: http:/www.reuters.com/article/2013/11/28/gsk-brief-idUSWLB0061920131128.
Qual é o racional para o uso do esquema de vacinação contra o HPV (Gardasil) denominado de estendido, isto é, em 0, 6 e 60 meses (5 anos) usado no Brasil ?
O Ministério da Saúde do Brasil, por razões políticas, escolheu a vacina Gardasil para “prevenir” o câncer do colo do útero, também denominado de câncer cervical, do inglês cervical câncer (cancer of the cervix).
O esquema vacinal adotado no Brasil é composto de três doses em cinco anos (0, 6, e 60 meses). Este esquema, denominado de “estendido”, foi recomendado pela Organização Pan-Americana de Saúde (OPAS).  A OPAS foi quem intermediou os médicos cubanos para o Brasil.
Este esquema de vacinação adotado para as jovens no Brasil está sendo testado na Columbia Britânica (província do Canadá), no Québec (Canadá), México, Colômbia e Suíça.
Trata-se de um esquema experimental, pois contraria totalmente o esquema clássico ou habitual de três doses em 180 dias (0-2 e 6 meses) como é preconizado pelos pesquisadores da vacina e que consta em bula do produto.
É importante ressaltar que esse estudo avaliou apenas a resposta imunológica (produção de anticorpos) para a faixa etária de 9 a 13 anos, e que não é possível inferir se esse novo esquema de 0, 6 e 60 meses, seja igualmente "eficaz" ao esquema habitual (0, 2 e 6 meses), nem se esses resultados possam ser extrapolados para outras faixas etárias.
O pioneirismo desse novo esquema experimental de vacinação foi do Canadá, esquema que está sendo utilizado apenas em meninas de 9 a 13 anos de idade. Agora, o Brasil, irresponsavelmente, "inova" e o aplica em meninas dos 11 aos 13 anos de idade. Portanto, estão fazendo experiência com as nossas meninas.
 Apesar da resposta de eficácia ser um dos parâmetros usados em estudos das vacinas contra o HPV, apenas o acompanhamento dessas meninas em longo prazo (por muitos e muitos anos) poderá confirmar se existe "eficácia" da vacina com o uso deste novo esquema em relação ao esquema padrão (que também não sabemos o tempo de duração).
1- A Merck está testando (experimentando) uma nova vacina contra o HPV denominada de V503 para proteger contra 9 tipos de HPV (nonavalente). A vacina atual (Gardasil) contém apenas quatro tipos de HPV (quadrivalente).
Fonte: Leeson SC, Alibegashvili T, Arbyn M, et al. HPV testing and vaccination in Europe. J. Low Genit Tract Dis. 2014;18:61- 69.

2- Estão testando uma nova vacina por via oral com a proteína L2 da cápsula do HPV (a vacina atual contém a proteína L1).
Fonte: Leda Gattoc, Navya Nair, Kevin Ault. Human Papillomavirus Vaccination. Current  Indications and Future Directions. Obstet  Gynecol Clin N Am  40 (2013) 177-197.

3- O estudo que está sendo realizado na Finlândia de fase III de adolescentes vacinadas que serão acompanhadas por mais de 10 anos para avaliação da eficácia e da duração da vacina (farmacovigilância).
Essa falsa proteção pode levar a uma diminuição da prevenção do câncer do colo do útero através do exame de Papanicolaou e do uso da camisinha. Isso pode aumentar as gravidezes não desejadas e as DST. Além disso, desconhecemos seus efeitos em longo prazo, e a eficácia e a segurança da vacina não têm sido estudadas em jovens menores de 15 anos de idade, além de não sabermos quanto tempo dura a vacina.
Pela falta de eficácia diante de outros genótipos (tipos) de HPV, dando ensejo para que a paciente possa entrar em contato com outros tipos de HPV e se infectar. Lembro que existem 20 tipos de HPV que causam o câncer do colo do útero.

1) Pela possibilidade de falha na resposta imunológica (defesa) da paciente vacinada.
Resumindo: que vacina é essa, que é destinada para prevenir o câncer do colo do útero, todavia, a paciente é obrigada a fazer o exame de prevenção do câncer do colo do útero, ou seja, o Papanicolaou?
Porque essa vacina não proporciona nenhuma garantia para a prevenção do câncer do colo do útero, ou seja, não isenta a paciente de contrair essa doença, por contemplar apenas duas cepas (16 e 18) do vírus do HPV, responsáveis apenas por 70% de todos os cânceres no mundo. Portanto, não é suficiente para erradicar esse tipo de câncer. O ideal é que tivéssemos uma vacina com 10 tipos de HPV (decavalente), relacionados com o câncer, pois assim a vacina teria um potencial para proteger contra mais de 90% dos cânceres do colo o útero.
A vacina atual (Gardasil) utilizada no SUS contém apenas 2 tipos de HPVs, o 16 e o 18 (relacionados com o câncer).
A vacina contra o HPV deveria ter os seguintes atributos:
1- Deveria ser segura- não é segura, pois causa uma série de efeitos colaterais.
 2- Deveria ser usada por via oral- é usada por via parenteral (injeção), causando uma grande dor.
 3- Não ser cara- é a vacina mais cara do mundo, é mais cara do que a soma de todas as vacinas existentes. É uma vacina para os ricos.
 4- Deveria ser “efetiva” com apenas 01 dose- a ”efetivação”, requer 03 doses.
 5- A duração da proteção deveria ser por toda a vida - Não sabemos o tempo de duração da vacina.
 6- O resultado da vacina deveria ser imediato- só saberemos o resultado daqui a 30 (trinta anos).
Livro da FEBRASGO atualizado sobre vacinas.
 Acabei de receber o livro da FEBRASGO (Federação Brasileira das Associações de Ginecologia e Obstetrícia) intitulado: “Manual de Orientação-Vacinação da Mulher”.
Este livro é patrocinado pelo laboratório GSK, fabricante da vacina contra o HPV, denominada de Cervarix (vacina bivalente).
Comentário: Será que os pais das adolescentes sabem disso? Portanto, vacina incompleta.
 Na página 28 está escrito: “A vacina não é recomendada para mulheres acima de 26 anos de idade, no entanto, se o médico prescrever ela será dada”.

Comentário: a maioria dos médicos não tem o conhecimento suficiente dessa vacina. O laboratório simplesmente se isenta de culpa por quaisquer danos.


Comentário: Será que os pais das adolescentes sabem disso?
 Por que a vacina contra o HPV é controvertida?
1- Porque a idade ideal para o início da vacinação contra o HPV é incerto, não existe um consenso.


2- A Merck recomenda para meninas a partir dos 9 anos de idade (de 9 a 26 anos), a Glaxo Smith Kline recomenda a partir dos 10 anos de idade (de 10 a 25 anos), a Sociedade Brasileira de Imunizações (SBIm) recomenda entre 11 e 12 anos de idade, a Agência Nacional de Vigilância Sanitária (ANVISA) recomenda a partir do 9 anos (de 9 a 26 anos), a Organização Mundial de Saúde (OMS), recomenda entre 9 e 13 anos, a American Cancer Society (ACS) recomenda entre 11 e 18 anos. O Ministério da Saúde (MS) do Brasil recomenda a vacinação dos 11 aos 13 anos. Quanta celeuma!!!
Com o mesmo propósito foi criado internacionalmente o “Truth about Gardasil” (www.truthaboutgardasil.org).
4- Porque recentemente o Ministério da Saúde do Japão emitiu um aviso de âmbito nacional que a vacinação contra o HPV não deve ser recomendada para meninas com idade entre 12 a 16 por causar várias reações adversas.
5- Porque a vacina tem eficácia reduzida para quem iniciou a vida sexual e, portanto, já teve contato com o vírus HPV.
6- Porque a proteção cruzada (ampliada) da vacina tem efeito limitado, e um efeito protetor mínimo da vacina em mulheres entre 24-45 anos e 24 e 55.
Fonte: Castellsagué X, Muñoz N, Pitisuttithum P, et al.End-of-study safety, immunogenicity, and efficacy of quadrivalent HPV (types 6,11,16,18) recombinant vaccine in adult women 24-45 years of age. Br J Cancer. 2011;105:28-37.
Turner  HC, Baussano I, Garnett GP. Vaccinating women previously exposed to human papillomavirus: a cost effectiveness analysis of the bivalent vaccine. P LoS One. 2013; 8:e75552.
Porque em fevereiro de 2000 foi incluída no calendário vacinal dos Estados Unidos uma vacina contra o pneumococo, ou seja, uma vacina para prevenir a pneumonia, denominada de Prevenar. Lembro que existem mais de 90 tipos de pneumococos, e essa vacina contém apenas 7 (sete) tipos de pneumococos dentre os 90 tipos. Observem que 83 tipos de pneumococos ficaram de fora da vacina.
Com o monitoramento dessa vacina através dos anos, observou-se que os tipos de pneumococos que não estavam incluídos na vacina, um total de 83 pneumococos substituíram os pneumococos que estavam na vacina, ou seja, ocuparam o espaço (nicho ecológico) dos pneumococos que estavam na vacina. Esse fenômeno, em que um pneumococo ocupa o lugar do outro, chama-se realocação, e os norte-americanos chamam de “serotype replacement”. Pois bem, essa substituição deu ensejo para que esses novos tipos de pneumococos se tornassem resistentes a penicilina, e resistentes a outros antibióticos, levando a doença pneumocócica invasiva, causando grande quantidade de óbitos.
Agora, vamos comparar esse fenômeno que aconteceu com a vacina Prevenar com a vacina contra o HPV.
Então, os outros tipos de HPVs que não estão na vacina também poderiam, com o tempo, a exemplo da vacina Prevenar, substituir os HPVs que estão contidos na vacina. E aí o que poderia acontecer no futuro? Façam uma reflexão, e tirem as suas ilações.
Portanto, não sabemos se a erradicação dos vírus mais oncogênicos, no caso o 16 e o 18, através destas vacinas, poderiam propiciar um desequilíbrio mutagênico, potencializando os genótipos virais menos prevalentes implicados na carcinogênese.
Existem no Brasil 2 vacinas contra o HPV, a Gardasil (quadrivalente, para o HPVs 16,18, 6 e 11) e a Cervarix (bivalente, só para o HPV 16 e 18). A rigor, para a prevenção do câncer do colo do útero, a melhor vacina seria a Cervarix, porque, devido ao seu adjuvante, proporciona imunidade mais duradoura. Contudo, no Brasil, entra o dinheiro na negociação, entra a questão política, e por isso foi escolhida a vacina Gardasil.
Porque desconhecemos se estas duas vacinas são intercambiáveis, ou seja, não sabemos se a pessoa que iniciou o esquema com a Gardasil poderá completar o esquema com a Cervarix.
Porque as vacinas licenciadas HPV são, no entanto, tipo restrito e caro, e também necessitam de armazenamento, proteção da luz, e refrigeração (+2° a + 8° C), doses múltiplas (três doses em 180 dias, ou em 60 meses), de 0,5 mililitros (ml), intramusculares no deltoide (face superior externa do braço), e no vasto lateral da coxa (face anteroexterna).
Porque é necessário agitar a vacina com energia, imediatamente antes de ser administrada, para manter o estado de suspensão. Esse preceito técnico não é feito em Posto de Saúde, como eu presenciei, e isso afeta a “eficácia” e a duração da vacina.

Poque não foi avaliada a sua eficácia e a segurança em meninas e meninos menores que 9 anos, e em adultos maiores de 24 anos, a eficácia foi de 22%.
 E a partir daí, com os artifícios da propaganda, acabam envolvendo de uma forma quase hipnótica vários médicos e várias "autoridades" que atuam na área da saúde, para lograrem êxito. Aqui está incluído o Jornal do CREMESP.
Uma limitação atribuída à vacina contra o HPV é que não há resultados de ensaios clínicos com financiamento independente, todos os ensaios disponíveis têm sido financiados pela indústria (Merck e GSK produtoras da vacina) que se beneficiará da vacina no calendário. Então, eles publicam o que querem.
A Merck desenvolveu Gardasil na esperança de que seria uma vacina “blockbuster”, pois ajudaria a recuperar milhões de dólares pagos por litígios que essa indústria farmacêutica enfrenta com os resultados desastrosos do VIOXX (Rofecoxib), anti-inflamatório da Merck retirado do mercado em 30/09/2004, depois de haver provocado entre 88.000 e 140.000 efeitos colaterais, e contribuído para o aparecimento de 27.785 ataques cardíacos e mortes súbitas cardiovasculares entre 1999 e 2003.
Fonte: Ross J, Madigan D, Hill KP et al. Pooled analysis of rofecoxib placebo-contolled clinical trial data. Lessons for postmarket pharmaceutical safety surveillance. Arch Intern Med 2009; 169: 1976-1984.
O VIOXX, como a Gardasil, foi aprovado (fast-tracked) pela FDA em 1999 sem haver completado o período de provas de seguridade. Uma droga Fast-Track, para obter a sua aprovação, deve demonstrar uma série de condições médicas, entre os quais: evitar efeitos secundários graves, apresentar eficácia superior aos tratamentos existentes (se disponível), etc. Esses preceitos não são ainda oferecidos por essas vacinas.
Outro exemplo marcante: em sete de maio de 2013, a Merck anunciou a suspenção, a comercialização e o recolhimento no mercado mundial do medicamento Cordaptive, indicado para controlar os níveis de colesterol e de outras substâncias gordurosas no sangue. Esse medicamento, além de não demonstrar os benefícios esperados na diminuição dos principais eventos cardiovasculares, proporcionou um aumento no número de ocorrências de efeitos colaterais graves.
Recentemente, a GSK foi condenada a pagar uma indenização de três bilhões (1 bilhão em multas criminais e 2 bilhões em multas civis) de dólares por má conduta nos EUA. Essa decisão pode encerrar o que os funcionários do governo americano estão considerando como a “maior fraude de saúde pública” da história do país. Isso em função de propaganda enganosa de seu antidepressivo Paxil (cloridrato de paroxetina) para pacientes com menos de 18 anos, embora o fármaco tivesse aprovação para uso apenas por adultos. Outro remédio da GSK, o Wellbutrim (cloridrato de bupropiona), também antidepressivo e usado contra o vício do fumo, foi alvo de marketing enganoso e comercializado para perda de peso e tratamento das disfunções sexuais.
Além do mais, a GSK sonegou informações sobre o Avastin (bevacizumab), medicamento utilizado contra retinopatia diabética, deixando a FDA no escuro a respeito de dados à segurança desse remédio.
Senhora editora do Jornal do CREMESP, a campanha publicitária dos laboratórios não  duvida em utilizar uma linguagem hábil, às margens da ética, cujo objetivo tem sido oferecer uma vacina experimental, "uma solução para o câncer". Ela tem sido desenhada para criar medo aos pais, e desta forma vacinar as suas filhas, com anúncios impactantes como: "o câncer do colo do útero mata 720 mulheres por dia no mundo", “o HPV é o responsável por mais de mil amputações de pênis no Brasil”, criando, assim, um marketing de pânico oncológico populacional, profissional e político, que obriga os governos a declarar a emergência sanitária. Desse modo, libera-se o gasto público e privado, que faz aumentar, em proporção geométrica, o gasto governamental e o lucro fármaco industrial.
Esses slogans ameaçadores são para “criar consciência” na população da necessidade da vacina: "você  pode evitar que sua filha tenha câncer de colo do útero"; "proteja a vida de tua filha"; pois o câncer do colo do útero é a segunda causa de mortalidade por câncer em mulheres entre 15 e 40 anos.
Essa vacina é a vacina do marketing viral, e trata-se de uma das maiores operações de marketing do medo da História da Medicina, desenvolvida por duas das maiores multinacionais farmacêuticas do mundo, que conseguiu envolver até o Jornal do CREMESP. É difícil entender que uma vacina que apresenta tantas incógnitas está se aplicando em meninas de tenra idade.
A Merck e a Glaxo têm sido fortemente criticadas, desde a Deontologia Publicitária, por apelarem para estratégias de marketing exageradamente agressivas, incluindo a Disease Mongering (exageração da doença  para introduzir logo o seu produto farmacêutico, no caso as vacinas).  Assim, como prevenir verrugas não parece muito significante ou alarmante (não dá IBOPE), nada melhor que apelar para o câncer. Magnifica-se, então, o número de câncer do colo do útero, por exemplo, diz-se que a cada dois minutos morre uma mulher de câncer do colo do útero no mundo. Entretanto, evitam um pequeno detalhe: que a maioria das mulheres que morrem de câncer do colo do útero pertence ao Terceiro Mundo, como Haiti, Uganda e Zimbábue e são pobres, porque simplesmente não têm acesso a outras medidas preventivas que tem demonstrado ser eficaz como exame de Papanicolaou na prevenção do câncer do colo do útero. Esses laboratórios são sórdidos.
No dia seguinte, os telefones de todo o Ministérios da Saúde do país colapsaram por chamadas das mães desesperadas que clamavam para vacinar suas filhas.
Fonte: Gentil A. Campaña contra el cáncer. El peligroso márketing del terror. Bs. As.: Revista Noticias Nº 1663, nov. 8 de 2008, págs. 84-88.
Müller M. Pandemia. Los secretos de una relación peligrosa: humanos, virus y laboratorios.1ª Ed.Buenos Aires: Sudamericana 2010.
Imediatamente, a Comissão de Publicidade da Administração Nacional para Medicamentos e Tecnologia Médica (ANMAT) emitiu o seguinte comunicado à imprensa: “Atento a campanha de divulgação massiva realizada em relação a prevenção do câncer do colo do útero mediante  a vacina, esta Administração informa que deve ter em conta que nenhuma das vacinas existentes substitui os controles médicos habituais, em razão de que não protegem contra a infecção de vários tipos de HPV e que tampouco é terapêutica, ou seja, não protege as mulheres que já se encontram infectadas. Induzir, ainda que de forma indireta, a falsa ideia de uma proteção total, poderia ter como consequência desencorajar a utilização da melhor e mais efetiva estratégia de prevenção para todos os tipos de câncer do colo do útero, que é a consulta ginecológica periódica para a realização do exame de Papanicolaou e a colposcopia”.
Fonte: Pellufo M. Teoría oncoviral del Cáncer Cervical: Objeciones.SOGBA 2011, 42 (218/1):26-55.
 O câncer do colo do útero é a doença com o maior potencial demonstrado de prevenção secundária. Esta doença é totalmente prevenível (através do Papanicolaou), fácil de diagnosticar, e curável a basto custo e com baixo risco. Tanto que o INCA (Instituto Nacional do Câncer) aponta o declínio nas taxas de incidência e de mortalidade do câncer do colo do útero nas principais capitais do Brasil, somente através do exame de Papanicolaou.
Em Curitiba, no Paraná, houve as maiores quedas: 9,4% para casos novos e 7,9% para óbitos.
São Paulo também apresentou declínio importante, de 7,4% para o número de casos e de 4,9% para óbitos.
A notícia é saudada pelo instituto, pois o câncer de colo do útero é altamente prevenível, através do baratíssimo exame de Papanicolaou. Então, para que vacina contra o HPV, uma vacina caríssima e incompleta?

No Brasil, na América Latina e no Caribe, tem-se descrito que o câncer do colo do útero tem uma alta incidência e mortalidade elevada. Por que isso acontece? Porque os métodos clássicos e baratos de prevenção dessa doença, como o Papanicolaou, a citologia líquida e a colposcopia, são subutilizados, e principalmente porque o sistema de saúde não funciona de maneira organizada e eficiente, o que limita a população pobre ao acesso a esses métodos preventivos. Corrigir essas deficiências, indubitavelmente, requer decisões políticas e econômicas.
Por que a Sociedade Brasileira de Infectologia (SBI) retirou do site a matéria abaixo?
Sociedade Brasileira de Infectologia. Cientistas criticam vacinação contra HPV.
Disponível em: http://www.infectologia.org.br/default.asp?site_Acao=Mostra
MostraPagina&paginaId=134&mNoti_Acao=mostraNoticia&noticiaId=211
Ficaria extremamente agradecido pela resposta

Efeitos adversos da vacina contra o HPV. Onde reclamar?
Nos Estados Unidos como funciona a reclamação?
O Center for Disease Control and Prevention (CDC) e o FDA monitoram a segurança das vacinas através de três mecanismos:
1-Sistema VAERS (Vaccine Adverse Event Reporting System) que coleta os efeitos colaterais após a administração da vacina;
2-Sistema VSD (Vaccine Safety Datalink) que coleta essa informação, e as repassa ao CDC e a oito organizações de cuidados assistenciais,
3- Rede CISA (Clinical Immunization Safety Assessment), um projeto de seis centros de pesquisa acadêmica nos Estados Unidos, que realiza pesquisas independentes sobre riscos associados à vacina.
No Brasil como funciona a reclamação?
Primeiro, não existe nenhum órgão para essa finalidade.
Segundo, por ocasião da aplicação da vacina para relatar esses possíveis efeitos adversos, não é oferecido nenhum canal de comunicação para as adolescentes ou os seus pais. As pacientes sequer são orientadas a procurar um posto de saúde ou o “seu médico”. Aqui funciona o “vire-se”, tomou a vacina, então o problema é seu, pois não existe um ulterior seguimento dessas adolescentes.

Fonte:
·                                 Aplica-se então essa vacina em jovens, de maneira aleatória, e sem ulterior seguimento (caso a mocinha ou mocinho tenha qualquer efeito colateral o problema é delesAplica-se então essa vacina em jovens, de maneira aleatória, e sem ulterior seguimento (caso a mocinha ou mocinho tenha qualquer efeito colateral o problema é delesO trabalho: “Death after Cervarix Propels HPV Vaccination Into Headlines Again”, figurou entre os Top 10 News Articles of 2009 consultados em Medscap Medical News. Os eventos adversos se multiplicam e se seguem publicando (www.Natural News.com).
·                                 As informações do VAERS- Vaccine Adverse Event Reporting System (www.vaers.hhs.gov), coordenado pelo CDC -Centeres for Disease and Control (www.cdc.gov), nos Estados Unidos, sobre 8.864 complicações pós vacinação, registraram pelos menos 18 mortes, 11 na primeira semana de vacinação e 7 em menos de 2 dias. A causa mais frequente de morte foi por trombose.

Senhora editora do Jornal do CREMESP, devemos ter prudência e precaução para utilização dessa vacina, pois não estamos diante de uma doença que se supõe um grave e urgente problema de saúde pública e para qual não se dispõe de nenhum método de tratamento ou preventivo efetivo. Achamos que é claramente precipitado e injustificado expor fisicamente e emocionalmente meninas sãs a uma nova vacina, por estarmos diante de muitos aspectos discutíveis e controversos, e por não termos respostas sólidas para questionamentos científicos tão relevantes.
Portanto, senhora editora do Jornal do CREMESP, convém a prudência ante propostas imprudentes. Por isso, não devemos deixar sobrepujar o marketing enganoso e antiético dessas vacinas.
Almejamos que, em um exíguo espaço de tempo, possamos ter uma vacina profiláctica de segunda geração de alto espectro, que englobe todos os tipos virais oncogênicos, e que induza a proteção em longo prazo. E que esta vacina seja efetiva, com segurança comprovada, com vias alternativas de administração não injetável, que seja termoestável, para evitar o impacto do congelamento ou do calor na sua potência, evitando, assim, o requerimento da “cadeia fria” (sistema de conservação, em condições adequadas de luz e temperatura, armazenamento, transporte, manuseio, e distribuição das vacinas, garantindo a imunogenicidade desde sua saída do laboratório fabricante até o ponto de vacinação), e com custos acessíveis para as mulheres em risco de países em desenvolvimento.
Senhora editora do Jornal do CREMESP, após a apreciação dessa matéria, faça uma reflexão e tire as suas ilações.
Finalizando, diríamos que "primum non nocere" é a condição sine qua non para que uma vacina seja incluída em um calendário vacinal, e esse requisito não é obedecido pela vacina contra o HPV.

Cleomenes Barros Simões. Médico e especialista em Ginecologia e Obstetrícia (TEGO 048/1979).
INFORMAÇÕES
Autor dos livros: “Toda a Ginecologia e Obstetrícia em Testes” (3ª edição) e “Patologia do Trato Genital Inferior”, ambos da Editora Roca, São Paulo.
“Os Partos da Princesa Isabel, a Redentora – Uma contribuição para a História da Medicina no Brasil” da All Print Editora, São Paulo.
1) Médico observador no Westfield Memorial Hospital (Westfield, NY-EUA).

2) Médico observador no St. Michael’s Hospital (University of Toronto – Canadá).
3) Ex-Chefe dos Médicos Residentes de Ginecologia e Obstetrícia do Instituto Fernandes Figueira da FIOCRUZ – Ministério da Saúde – Rio de Janeiro.
4) Membro efetivo (Representante Credenciado) da Sociedade de Obstetrícia e Ginecologia do Estado de São Paulo (SOGESP).