segunda-feira, 6 de fevereiro de 2012

XII CAPÍTULO DA SÉRIE 2012 - O RETORNO DOS ANUNNAKI - A CONCLUSÃO

Postado por Lucio Neto On 01:01 9 comentários

Em onze capítulos da série 2012 - O RETORNO DOS ANUNNAKI contamos para você algumas das grandes mentiras que foram vendidas por governos, políticos e religiosos ao longo dos séculos. Mentiras cada uma mais cabeluda do que a outra.
Essa palhaçada desses grupos em negar a existência de vida extraterrestre diante das centenas e centenas de evidências, certamente, é a maior de todas. Ancorada por líderes religiosos que vendem esses conceitos através desse livro que ficou conhecido como Bíblia Sagrada, cujo Deus a quem eles pregam total submissão, matou, pelos relatos bíblicos, mais de dois milhões de fiéis (veja aqui) as mentiras continuam sendo disseminadas.
Nesse livro são contadas algumas das mais absurdas histórias, pilares da origem da humanidade, que hoje nenhuma editora de livro infantil aceitaria publicar. Pergunte a qualquer criança se ela acredita que o primeiro homem nasceu de uma imagem de barro, após alguém lhe dar um sobro pelas narinas? Acostumada a ver na televisão, em revistas, em livros, na internet, o processo de formação uterina de um Ser Humano e até o artificial, ela ficará chocada e sem entender nada. Certamente, irá pensar que alguém mentiu para ela. Hoje, os pais não contam mais para as crianças que seu irmãozinho irá vir através de uma cegonha. Por quê? Porque o filho irá rir na cara deles. Então, por que continuam vendendo para você esta e outras histórias absurdas contidas nesse livro dito sagrado? Sabe por quê? Porque toda a estrutura de poder desses grupos está alicerçada nessas mentiras. Eles gastam bilhões para continuar enganando você com estas mentiras. Existe um verdadeiro processo de envenenamento cerebral destas informações. Elas são subliminares, atingem seu cérebro, se enraízam na sua memória e no seu inconsciente. Esses programetes de televisão que as massas adoram são feitos sob medida para os propósitos dessa gentalha. Filmes que encantam platéias do mundo inteiro são financiados por estas elites do poder. Diariamente na grande imprensa eletrônica e impressa você é bombardeado por informações de interesse de governos, políticos e religiosos. Os conceitos vendidos são os mais variados. Muitos são ditos para gerar dúvidas e quando isto ocorre, vem na seqüência, a declaração de um dos representantes dos grupos, para reafirmar as mentiras que eles alegam serem verdadeiras. É um jogo onde você é manipulado de todas as formas. E por que você é manipulado? Porque você é o escravo que gera a riqueza que alimenta esses grupos. Esta é a síntese de toda essa engenharia que esses senhores arquitetam diariamente para que os escravos continuem operando a máquina e gerando lucros.
Esse estigma social vem do processo artificial de nascimento do primeiro Ser Humano. Se você acompanhou a série desse blog, deverá se lembrar que não foi do sopro e sim da inseminação que o primeiro homem foi gerado. Contamos também qual o motivo que levou os Anunnaki a nos criar. Nascemos sob o estigma da escravidão. Isto está no DNA da grande massa. Essas elites se julgam mais puras do que a grande massa. Essas rédeas de poder foram herdadas e estão na árvore genealógica dessas elites que julgam ser descendentes diretos dos anunnaki. Na verdade, eles têm o poder e o dinheiro, mas no genes, somos todos iguais. Todos os seres deste Planeta têm 97% de DNA extraterrestre. Isto a ciência já comprovou.
O que está em jogo é o poder e o dinheiro. Essas elites têm consciência disso. Uns poucos do lado de cá do balcão, também têm. Mas, a grande maioria segue alienada. Não estão nem aí para os alertas que fazemos nesse processo de trabalho formiga diante do gigantesco esquema desses grupos. Infelizmente, porque continuarão sendo escravos e servindo a esses senhores. Quer dizer, seguirão em tese. Pois consta dos planos desses grupos a eliminação de uma parcela substancial da população do Planeta. Eles não estão a fim de continuar a dividir os recursos do Planeta com aqueles que só consomem e não produzem nada. Guerras e disseminação de vírus fazem parte do plano que está em execução. Drogas e homossexualismo também. Já explicamos aqui neste espaço.
Como você pode notar a história dos Anunnaki, narrada a partir das traduções do professor Zecharia Sitchin das tábuas dos sumérios, não é uma história que pertence ao passado. Ela é mais atual do que nunca. É uma alerta a humanidade. É um conhecimento que veio estabelecer a verdade de fatos que desmentem as mentiras desses grupos.
A verdade está aí posta para ser usada por pessoas inteligentes. É preciso sair do imobilismo e acreditar que poderemos deixar de ser servil a estes senhores. Temos de dizer a eles que essa balela de crise internacional já está muito manjada. Temos de dizer a eles que ninguém acredita mais nas balelas vendidas durante as campanhas eleitorais. Temos de dizer que sabemos que estão entregando o nosso ouro aos bandidos e que as demarcações das reservas Ianomâmi e Raposa do Sol foram duas das maiores traições feitas contra nossa pátria. Temos de dizer que queremos um basta contra a falta de controle da produção do nosso NIÓBIO e que queremos leis especificas regulamentando esta nossa riqueza. Temos de dizer que queremos dar um basta na corrupção que corrói os três poderes na nação. Temos de dizer que esta história de faxineira é conversa para boi dormir e que, a presidenta, deve agir e não permitir que marqueteiros fiquem criando mitos. Isto não muda a nossa posição no IDH das nações.
Temos de dizer que queremos um basta geral. Que não somos escravos. Temos de dizer que temos direito a tudo que até hoje só tem sido legado às essas elites que mantém o poder a base de mentiras.
Estas mudanças, prezados descentes de anunnaki, começa com o uso consciente do seu voto. Sem isto, jamais faremos as reformas necessárias para estabelecer uma sociedade digna e justa.


Zecharia Sitchin era um erudito, especialista na história e na arqueologia do Oriente Médio e do Antigo Testamento. Traduziu a escrita cuneiforme dos Sumérios e outras linguagens antigas. Ocupou o cargo de Consultor da Nasa. Pertencente a um pequeno número de estudiosos que conseguem ler as tábulas de argila encontradas na Mesopotâmia.
Segundo ele, seu interesse, começou ainda em seus dias de escola. Ele estava estudando a Bíblia (Antigo Testamento) em seu idioma original, o hebraico, quando finalmente a turma chegou ao capítulo 6 do Gênesis, a história do Dilúvio.
O capítulo começa com vários versos enigmáticos, dizendo que no tempo pouco antes do Dilúvio, "havia gigantes sobre a Terra", e eles se casaram com as filhas do homem e tiveram filhos delas.
Então o pequeno Zecharia Sitchin levantou a mão e perguntou à professora por qual motivo aquela senhora dizia "gigantes" quando a palavra na Bíblia é Nefilim, que significa "aqueles que desceram", e não obviamente "gigantes". Em vez de o elogiar por seu conhecimento de hebraico, ela o repreendeu, pois ela, como todas as pessoas, reagiu em protesto: Não se questiona a Bíblia!
A partir deste dia Sitchin começou uma busca incansável pela verdade que ele acreditava. Verdade traduzida em 14 livros.

Zecharia Sitchin (Baku, 11 de julho de 1920 - 9 de outubro de 2010). A homenagem do blog a uma das maiores personalidades do Planeta Terra de todos os tempos.

Livros publicados por Zecharias Sitchin




9 comentários:

Oi Lucio
Gostei muito da série. Tanto que imprimi todos os capítulos

Lucio,
Sou admirador do seu blog. Tanto que, sempre que há uma notícia relacionada a um dos seus posts nos portais de noticiais, eu aproveito e divulgo seu link. Faço isso, porque sei que o seu trabalho é sério. Para mim, você comprovou mais uma vez a seriedade do seu trabalho com esta série. Apresentou fatos polêmicos e comprovou as mentiras. É preciso antes de tudo coragem para vivr a público dizer o que você disse. Parabéns!

Muito boa a série. Os fiéis da igreja do pastor Edir deveriam ler para entender as palhaçadas dessa seita, inclusive desse vídeo que circula na internet: http://youtu.be/CNoi0owAfuM

Prezado Lúcio Neto,

Sei da sua seriedade, tanto que sou seu leitor assíduo. E, como já disse, comungo com a maioria de suas idéias, principalmente as do campo politico.
Contudo, a série que você brindou a seu público é apenas a visão de um lado, ainda que o professor Zecharia Sitchin seja nela ovacionado.
Espero que você me permita, dentre em breve, eu colocar aqui uma visão que não terá o gratuito intuito (perdão a rima mal feita) de colidir com a sua série, mas somar no sentido de abrir o entendimento diferenciado que temos sobre a questão.
Só pra adiantar, ao contrário do que se possa pensar, a ciência a cada dia mais explica a verdade absoluta de DEUS. É isto que eu quero mostrar.
Um grande abraço do amigo e admirador
Walfredo Rodriguez Neto (blog http://walfredorodriguez.wordpress.com/)

Meu caro Lúcio,
Para fazer um contraponto, ainda que apenas inicial, gostaria de encaminhar os seus leitores para o artigo que está no seguinte endereço http://caiofabio.net/conteudo.asp?codigo=06003

Um grande abraço
Walfredo

Caro Walfredo,
Respeito suas crenças, mas gostaria de lembrar que o blog não deseja alimentar discussão religiosa.
É preciso entender que a série dos Anunnaki abordou o tema por ser este grupo - o de religiosos - o que mais tem mentido ao longo dos séculos.
Para você entender a série dos Anunnaki terá que mudar seus paradigmas. Esqueça o elemento "fè" e questione os fatos, a realidade nua e crua do dia a dia. Somos todos escravos de senhores feudais que gozam do melhor desta vida, enquanto nos vendem a promessa do reino dos céus.
Ora bolas, então tenho que sofrer nesta vida para ter direito a um reino que ninguém provou que existe?
Isto, em outras palavras, chama-se masoquismo. Àqueles que inventaram essa filosofia - as elites - devem rir muito dessa multidão de escravos.
Foi disto que tratou a série dos Anunnaki. Mostramos a verdade, mas ninguém é obrigado a aceitá-la.
Cada um deverá se convencer por sí próprio e sentir onde aperta o seu calo.
Tudo gira em torno de poder e dinheiro. O mundo tem três braços: governos, políticos e religiosos.
Cada um faz o seu papel para não perder a sua fatia do bolo. São eles contra nós. Se a grande massa despertar teremos uma boa chance de mudar o quadro atual deste mundo onde impera a miséria, a fome, as doenças, a corrupção. No Brasil, por exemplo, a corrupção chegou ao extremo. O diretor da Casa da Moeda é acusado de receber propina de bilhões de dólares. Tudo isto está no contexto da série. O tema religião é apenas um componente desta trama, pois é o elemento que mais escraviza o ser humano, pois lida com o seu emocional.
Não pense que desconheço o outro lado da moeda, pois como jornalista sou obrigado a ler tudo se desejar dar seriedade ao que digo.
E digo mais, se desejasse abordar o tema religioso contaria outras verdades sobre personagens e assuntos muito mais polêmicos. É como diz a sua bíblia " a verdade os libertará". Ela está aí. Acredita quem quiser.
Um forte abraço e volte sempre.

Meu caro Lucio,

Entendi tudo o que você disse. Realmente, a série foi apresentada e cumpriu o seu papel.
Não cabe a mim polemizar e trazer a fé a este contexto. Talvez inspirado em sua idéia vou lançar a minha série no meu blog, se assim decidi.
Muito obrigado pelo espaço. Você é gente boa de Deus!
Quanto à parte da corrupção no Brasil aí eu comungo plenamente com você, inclusive também quanto aquela questão do comando global (a nova era)... Este nosso país está mesmo entregue às baratas... o desgoverno assolou o nosso Brasil há nove anos e nunca esteve tão na crista da onda.
Um grande abraço, muito feliz em ser seu amigo.
Walfredo

Olá,

Comecei a ler os teus textos e achei incríveis os relatos que neles estão contidos. Já havia lido um livro do professor Sitchin, "O Décimo Segundo Planeta" e achei muito interessante a visão dele sobre o mundo como nós conhecemos (ou achamos que conhecemos).
Sabe, Lúcio, fui criada em base católica (obrigada por meu pai), mas para mim, nada do que a Biblía falava fazia sentido, pois minha mãe sempre me explicou tudo o que quis saber e o que mais me confundiu, foi a passagem da criação do homem, pois não entendia como um ser poderia ter sido feito do barro, se eu sabia que a concepção se dava de outra forma. Mas ficava achando que era "pecado" duvidar das Escrituras Sagradas, até porque era uma criança...enfim, hoje, depois de adulta, me sinto livre, pois não tenho religião, mas me fixo numa presença muito maior, a qual não sei explicar, mas sinto,presença esta que não me prende e escraviza o pensamento como as religiões fazem. Mas friso, que não me oponho a quem quer ter suas crenças, mas que não me venham impor seus dogmas como fui obrigada quando criança...acho que sempre fui uma rebelde...rsrsrsrs.
Agora, tenho uma pergunta a te fazer: se somos parte extraterrestre, como explicar a vinda de Jesus para a Terra, e segundo a Bíblia, sem "pecado", pois Maria era virgem? Seria Jesus um novo fruto dos Anunnaki?

Abraços da mais nova fã
Samira Fabis-Rio Grande do Sul

Samira,
Em primeiro lugar obrigado e volte sempre ao nosso blog. Eu não diria que Jesus fosse um novo fruto dos Anunnaki. A minha convicção é de que Jesus foi fruto de uma inseminação artificial. Virgem ou não, a sua mãe Maria, não o concebeu do nada ou do Divino Espírito Santo. Não posso afirmar que raça de extraterrestre seria a responsável por este fato. Entendo que deva ter sido uma raça de elevada vibração espiritual, pois Jesus, independente de ter sido adotado pelos católicos, me parece ser uma Ser Humano bastante digno, politizado e não é nada disso que essas religiões ditas cristãs tentam nos "vender". Eu o admiro como Ser Humano, não como filho de Deus, pois o meu Deus é o Deus de Spinoza. Ver aqui: http://www.lucioneto.com.br/2012/02/acredito-no-deus-de-spinoza-e-de-que.html E acho, portanto, que este Deus não tem apenas um filho e sim milhões ou bilhões.

Postar um comentário

Evite enviar comentário como "Anônimo". Crie um username, um nome fantasia, e acrescente o seu Estado. São 4 maneiras:
01 - Entre com sua ID do Google e digite a senha;
02 - Sua ID de outras redes sociais;
03 - Nome/URL. Aqui basta você colocar seu nome (se desejar), um nome ficticio e coloque o seu Estado. Se tiver um site ou um blog pode colocar o endereço no espaço abaixo;
04 - Anônimo. O que nós pedimos para você envitar. Mas, se optar por esta forma, tudo bem.